sexta-feira, 27 de julho de 2007

Diga Não ao Toco

.

Toco: sm. 1. Parte restante do tronco, após cortada a àrvore. 2. Pedaço de vela ou de tocha. 3. Resto de coisa que se partiu ou se consumiu.



O Dicíonário Aurélio (2000) assim define o significado desse termo. Porém, mais que um simples verbete botânico, essa palavra tornou-se sinônimo de derrota, de humilhação. Remete-se o significado do toco à uma expressão comum do basquete, quando o ataque de um jogador de um time é bloqueado, ainda no ar, pela defesa do outro.

No que concerne aos relacionamentos humanos, o toco refere-se à situação onde um relacionamento é interrompido, logo no início ou após certo tempo de convivência. Isto por que um dos elementos da relação repudia, de maneira covarde, as intenções do outro.

A história está recheada de personagens que, ou administraram tocos ou deles foram vítimas. No relato bíblico de Sansão, este na festa de seu primeiro casamento, propôs a seus convidados um enigma. Eles teriam sete dias (que era o tempo que durava uma festa de casamento) para adivinhar o significado da seguinte charada:

"Do que come saiu comida
e do forte saiu doçura".

Sansão com isto se referia a um episódio que lhe ocorrera algum tempo atrás, quando ele matou um leão num vinhedo da Cidade de Timna e, ao passar no dia seguinte pelo mesmo local, notou que havia uma colméia de abelhas no cadáver da fera.

Como prêmio para quem decifrasse o mistério, Sansão prometeu várias túnicas e roupas finas, que na época só os reis e príncipes usavam. No quarto dia os convidados foram atrás da noiva e a convenceram de inquirir de Sansão à resposta do enigma. Ela, com todos os seus dotes e artimanhas, conseguiu que Sansão lhe revelasse o segredo. O final não poderia ter sido mais humilhante para o homem mais forte do mundo: ele teve que matar trinta príncipes para conseguir as roupas que prometera como presente. E pior, como havia ficado furioso com a traição de sua noiva, Sansão saiu da festa correndo para chorar no colo dos pais dele. E adivinhem o que a digníssima noiva fez? Se casou com o padrinho de casamento do Mané!

Toco!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

A saga dos tocos não pára por aí. Temos exemplos como Cleópatra que deu um toco em César e ficou com Marco Antônio; Helena que deu um toco em Menelau fugindo com Páris de Tróia e Capitu, de Dom Casmurro, que deu um toco em Bentinho e teve um filho com Escobar, dentre muitos outros casos famosos.

Mas as questões que nos interessam enquanto estudiosos do comportamento humano é: o que leva uma pessoa a dar um toco em outra? Em que circunstâncias é mais provável a emissão de um comportamento de toco? Qual o estado psicológico do indivíduo que leva um toco? Existe cura para o ETC (Emissor de Toco Compulsivo)?

Nossa intenção é discutir como as principais escolas de pensamento em psicologia analisam o fenômeno do toco e, por fim, endossar a campanha - Diga Não ao Toco! - após comprovar os efeitos maléficos deste tipo de conduta.

Iniciaremos com a disciplina freudiana.

Pelas análises que podem ser feitas a partir dos tipos páticos dos sujeitos geralmente envolvidos na situação de toco, podemos inferir que os grupos de ETC's são compostos basicamente por indíviduos histéricos e sádicos, enquanto que as vítimas dos ETC's geralmente apresentam condutas tipicamente melancólicas e masoquistas.
Vamos esclarecer.
O indivíduo histérico (que em geral é do sexo feminino), devido à sua grande necessidade narcísica de atenção e afeto, se vê tentado a seduzir aqueles que a sua volta estão. Quando uma incauta vítima se rende aos encantos do histérico este, já saciado de suas necessidades afetivas, reprime severamente o outro apaixonado e, por fim, o ignora. O rejeitado então recolhe-se num sentimento de insignificância e chora torrencialmente, antevendo os comentários e gozações dos presentes (nota: o histérico sempre dará o toco na presença de espectadores, por que é o que alimenta sua fome de atenção).
Ainda usando como referência os tipos páticos, podemos observar que o indivíduo que esporra, digo, goza com o sofrimento alheio também está no rol que fomenta a situação de toco. Entretanto, o indivíduo sádico que especializa-se em dar toco nunca estará saciado enquanto não encontrar alguém que goze tomando toco (duplo sentido, por favor). O casamento perfeito então se dá quando o sádico ETC troca alianças com o masoquista TT (Toma-Toco).



(conversa no MSN)

Skatista: Oi linda, tudo bem?

Princesinha Poderosa Hello Kitty Cor-de-Rosa : Oi, tudo.

Skatista: poxa, vc tava maravilhosa naquela festa do chicão! \o/

Princesinha Poderosa Hello Kitty Cor-de-Rosa: Ah, obrigada : )

(muitas cantadas e elogios depois...)

Princesinha Poderosa Hello Kitty Cor-de-Rosa : Ei, você gosta de volei?

Skatista: Claro que gosto! É um dos meus esportes preferidos! : >

Princesinha Poderosa Hello Kitty Cor-de-Rosa: É mesmo!? Então toma um bloqueio!

(e bloqueia o pobre infeliz no MSN)

Toco!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

A análise do comportamento também tem a dizer sobre os operantes do toco. Na visão Skinneriana, o toco ocorre quando há uma conversão de diversos fatores ambientais sobre uma determinada contingência amorosa. Quando um relacionamento amoroso está mantido sob esquemas de reforçamento contínuo, os reforçadores (e.g. beijos, carícias, mão-naquilo-aquilo-na-mão), gradualmente, perdem sua eficácia.



-João Ninguém da Silva, eu estou farta de você! Eu não te amo mais! Junte seus trapos e saia já do meu barraco!



Um sujeito que, em circunstâncias passadas, tenha emparelhado situações de toco com os estímulos aversivos dela provenientes provavelmente desenvolverá repertórios de esquiva e fuga em situações onde um comportamento de toco tem condições de ser emitido. Nesse caso, o reforço do comportamento desse indivíduo consistirá na evitação do toco.

Mas o que acontece quando ele não consegue esquivar ou fugir do toco?

Nesse caso, é provável que o sujeito emita comportamentos tipicos de desespero, à semelhança do ratinho que, privado de água e pressionando inutilmente a barra da caixa de condicionamento operante, começa a morder a barra e as extremidades do bebedouro. O rejeitado irá implorar de joelhos para que sua amada o aceite novamente. Ele irá mandar flores, caixas e mais caixas de bombons e centenas de torpedos ao seu affair. Se nada disso adiantar, então este comportamento amoroso entrará em extinção surgindo daí diversos efeitos colaterais como depressão, apatia e desejo incontido de xingar e maldizer o (des) afeto.



(no parque)

-E aí princesa, o cachorrinho tem telefone?

-Porque? A cadela da sua mãe tá no cio?

Toco!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!



Rogers afirmaria que, dentre as razões para que a conduta do toco permaneça, estariam as pressões sociais a que o indivíduo está submetido. Para Rogers, o ser humano é um projeto em desenvolvimento e por natureza tende a amar o próximo. São as normas sociais (implícitas) que fazem com que o indívíduo aja com frieza e falta de compaixão ante seus semelhantes. Assim, tanto o indivíduo que gosta de dar tocos quanto o individuo que leva tocos devem desenvolver um relacionamento onde impere uma aceitação positiva incondicional. O João deve aceitar a Maria muito embora ele a considere uma anta e a Maria deve aceitar o João muito embora ela o considere um cavalo.


Enfim, está mais do que demonstrado que dar tocos não é uma conduta muito útil na evolução e preservação da espécie e que, em última instância, só causa dor e
sofrimento desnecessário. Diante disso, nós do Confraria dos Bravos, apoiamos a campanha:

Diga Não ao Toco!

Participe você também dessa campanha! Divulgue-a e incentive seus amigos a participarem dela. Afinal de contas, o próximo a levar um toco pode ser você.




5 comentários:

Paulera disse...

que texto gigante.. eu li pq tava nos "rascunhos" uma parte dele... dei umas risadas agora, mas estou em outra missão [fechando a mão e dando um mini-soco no ar pra cima como um gancho(é o gesto de "missão" com emoção)] então espero que amanha eu leia isso tudo.
beijos

*deletei o video pq tinha 2 minutos e durante 1:30 fazia piadas MUITO sacanas com argentinos.. o meu objetivo era dos outros 30 segundos, piadas MUITO sacanas podem ofender né..

trecho do video para deixar claro pq eu tirei: pq o maradona cheira cocaina?! pq corroi o nariz e ai ele nao pode sentir cheiro de nada. o que é bom quando se vive num país de merda. (ai!)

Hammurabi disse...

Beleza Fidel, eu vou ver ele no Youtube então.

Abração cumpadi!!!

Paulera disse...

diga não ao toco, só aceite TORA!

Nilza disse...

Uau!!
Ri demais de seu texto Criatividade não lhe falta. Gostei muito daqui e voltarei sempre.

Beijos e direi não ao toco ok? rs

Obs: Logo que iniciei a leitura pensei na imagem dos troncos na Amazônia que forma apreendidos..hehe
Fértil tbm a minha né?

Pink disse...

Excelente texto! :-)