sábado, 8 de dezembro de 2007

Ainda o filme "Tropa de Elite"

«nós estamos vivendo numa época diabólica, onde tudo está separado de tudo. Ninguém está unido a nada. Tudo está separado de tudo. Uma época de atomização. Cada um vive cheio de si, cheio de si – o que significa um oco completo.»
Eudoro de Sousa

Tropa de Elite. Direção: José Padilha. Produção: José Padilha e Marcos Prado. Roteiro: Rodrigo Pimentel, Bráulio Mantovani e José Padilha. Intérpretes: Wagner Moura; Caio Junqueira; André Ramiro e outros. [Rio de Janeiro: Universal Pictures do Brasil / The Weinstein Company]. 2007. 1 DVD (118 min), son., color.

Um filme de ficção. Retrata-se a vida cotidiana de um grupo de policiais. De um lado, há a ala que se submete à corrupção; de outro, há o BOPE - Batalhão de Operações Policiais Especiais – cujo lema é ‘purificar’ o comando policial e as mazelas sociais.
Dois policiais recém chegados a um batalhão que transpira corrupção não admitem e não se envolvem em atitudes desonestas. Ao tomarem contato com o BOPE despendem grandes esforços para serem membros e tornarem-se ‘purificadores’ e exemplos de boa conduta.
O esquadrão que os recebe para treiná-los tem como comandante o Capitão Nascimento. Esse é o líder que não aceita erros; suas ações são de extrema cautela e pontuais; transparece autodomínio e força persuasiva; é àquele que corrige os erros dos “financiadores do tráfico” – classe média –, dos policiais corruptos, dos usuários de drogas, dos traficantes, enfim, da “corja maldita”.
O Capitão Nascimento está prestes a deixar o comando, sendo assim, quer recrutar um substituto com a devida qualificação. Logo nota que os dois novatos, ‘Neto’ e ‘André Matias’, têm características que se enquadram para ocupar o seu cargo. Então, cria-se um dilema, qual dos dois pode vir a ser o futuro capitão? Eles demonstram habilidades diferentes e complementares. A estratégia de Nascimento é observar como cada um se sai na execução das operações do BOPE. As cenas compõem-se basicamente das sucessivas atuações ‘purificadoras’ do batalhão comandado pelo Capitão Nascimento.
A riqueza e profundidade do filme estão em mostrar vários conflitos sociais. Como combater a violência, os desvios de conduta, o aliciamento de jovens? Ou melhor, como prevenir a violência, a corrupção, o tráfico? A tropa de elite, dirigida pelo Capitão Nascimento, opta por combater a violência pela própria violência – torturas, assassinatos, intimidação, abuso de autoridade. Nascimento assume papel de herói, quando na verdade não é senão um policial violento, desmedido, assassino, e, ao contrário do que parece, bastante emotivo.
De resto, o filme ‘Tropa de Elite’ questiona a nossa posição diante daquilo que julgamos ser problema dos Outros. A pobreza, a falta de estrutura urbana, a falta de assistência médica, a ignorância, a descaracterização humana, a inacessibilidade política contribuem demasiadamente para uma sociedade primitiva, brutal. Qual o papel de cada um na composição social? Requerer “segurança” a custo de tamanha violência? ‘Tropa de Elite’ não é ficção, contrariamente ao que afirmamos no início. ‘Tropa de Elite’ é a vida transposta para a tela do cinema. Quem quer continuar a vivenciar essa vida?


3 comentários:

Alê disse...

Nossa! Adorei!!

E concordo plenamente com as palavras de Eudoro de Souza.

Paulera disse...

Fico feliz por poder comentar em um texto seu Davi, que não seja algo do tipo "eu nao entendi".

Sobre tropa de elite daria para fazermos um almanaque (como a VIP fez). Pois é o que mais se fala atualmente.

O contraditório é um policial ser entrevistado na televisão e dizer que a 'técnica do saco' é irreal, e na VIP sair que policiais deram "dicas" para eles gravarem de forma correta essas cenas. Eles estavam usando o saco errado. (só sei que me dá agonia de imaginar EU gravando com um saco na cabeça).

Tropa de elite, quem quer viver assim?! EU NAO.

CresceNet disse...

Oi, achei seu blog pelo google está bem interessante gostei desse post. Gostaria de falar sobre o CresceNet. O CresceNet é um provedor de internet discada que remunera seus usuários pelo tempo conectado. Exatamente isso que você leu, estão pagando para você conectar. O provedor paga 20 centavos por hora de conexão discada com ligação local para mais de 2100 cidades do Brasil. O CresceNet tem um acelerador de conexão, que deixa sua conexão até 10 vezes mais rápida. Quem utiliza banda larga pode lucrar também, basta se cadastrar no CresceNet e quando for dormir conectar por discada, é possível pagar a ADSL só com o dinheiro da discada. Nos horários de minuto único o gasto com telefone é mínimo e a remuneração do CresceNet generosa. Se você quiser linkar o Cresce.Net(www.provedorcrescenet.com) no seu blog eu ficaria agradecido, até mais e sucesso. If is possible add the CresceNet(www.provedorcrescenet.com) in your blogroll, I thank. Good bye friend.