quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Coelhinho Suicida


Um Cachorro Bravo escreve:

A OMS diz que em cerca de dez anos, a depressão será a segunda maior causa de morbidades do mundo.¹
Apesar de crítica, essa condição não deixa de trazer certa esperança para o campo da Psicologia. Bem sabemos que, não obstante a variedade e enorme quantidade de antidepressivos presentes no mercado, o quadro depressivo não pode ser tratado por via unicamente farmacológica, pois acaba gerando apenas mais hipocondríacos viciados em Fluoxetina, Prozac e Citalopram.
Então, se a saída não está nos Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina, então a cura ou tratamento pela reflexão, a nossa estimada Terapia, surge como opção mais saudável para os nossos amigos que querem amarrar uma pedra no pescoço e se jogar da Ponte Costa e Silva.
O problema é sempre a dúvida do que dizer a um paciente depressivo que tá doidinho pra cortar os pulsos.
Algum tempo atrás, numa aula de Intervenção em Crise, li um texto sobre o assunto e o autor foi veemente.

-Nunca diga a pessoa que ela não deve se matar.

Fiquei pensando depois. E se eu falar o contrário? E se eu falar que a pessoa deve se matar mesmo? Será que isso não faria a pessoa refletir sobre a gravidade do intento e a faria mudar de opinião?
Não sei. Tenho cá minhas dúvidas.
Portanto, uma coisa é certa. Se um dia eu tiver um consultório, na sala de espera, em vez de Revistas Veja ou Superinteressantes, terei vários Gibis do Coelhinho Suicida

1 Saudemental.med.br

Um comentário:

Davi disse...

Depressão: o estado mórbido do ser humano num futuro próximo. “Esperança para o campo da Psicologia”? Pimenta no dos outros é refresco, não?